O texto sem fim


E se eu estivesse preso a algum conceito ultrapasso de felicidade? E se o mundo não fosse aquilo que eu sempre pensei que fosse.

Sou uma roleta russa, uma arma, uma bala e muitos lugares pra ir.

O peso de se fazer o que se ama.

O que se ama?

Seria errado ainda não saber o que se quer ser quando crescer? É muito “erre” numa frase só.

Penso de mais sobre essa tal estabilidade e mesmo sabendo que é uma farsa, eu não sei como ignorá-la. É persistente e permanente. O tambor roda e na minha testa o gelado do cano anuncia, sem bala.

Quando eu acho que eu me encontro, logo percebo que me perco. Silêncio.


Marcadores: ,