Medeixa

Mouvement I (Kandinsky)

Deixa-me contemplar o mar sem presa de voltar pra casa
Deixa-me sentir as ondas quebrando em meu peito
Deixa-me sentir a brasa me aquecer em vida

Quero este estado de pensamento e corpo livre
Sentir o pé afundar na areia como a mão de uma francesa que afunda num saco de feijão
Quero o cheiro de tempero do mercadão
Sentir na língua o gosto da sua pele morena salpicada com páprica picante

Deixa-me fundir os meus sentidos e viver assim como Epicuro quis
Deixa-me ver a lua brilhar solteira no céu azul
Deixa-me brincar de ser feliz

Como cada gota de orvalho que chegando ao chão se explode em euforia. Pequenos fogos de artifício.