Poderes estranhos dessa tal Primavera


O tempo em São Paulo continua louco e a cidade continua impermeável, mas ainda assim São Paulo continua com seu charme e sua classe cinzenta, ela continua a mesma.
As vezes paro pra pensar nessa beleza estranha que essa cidade tem, na paz que eu encontro no meio do barulho dos carros, no meio desse caos e pessoas no modo randomico, e por óbvio caiu na grande diferença entre Rio de Janeiro e São Paulo, agora com motivos mais pessoais pra isso, e sempre me pego a fazer analogias, comparações, suposições. A mais nova delas tem sido comparar Sampa como uma mulher moderna, que não para nunca, que tem filhos ou não, que tem maridos ou não, que vai pra luta e depois volta pra casa ou não; e o Rio de Janeiro como um homem, seu clima quente, seus segredos, suas omissões, seu bem viver, sua "preguiça" - no bom sentido é claro.
Pois é... Tipos bem diferentes de pessoas, mas ainda sim brasileiros, alias o que mais temos nesse país são outros países, se me permitem o jogo. Independente de Rio, Sampa, Aracajú, João Pessoa, primavera aqui no Brasil é primavera e os amores seguem loucos.

*Fotografia - Leco Vilela

Marcadores: