Art[e]ficios

Teatro, dança, pintura, áudio-visual, cinema, esculturas, contação-de-histórias, quem faz isso faz arte.
Vivemos num pais onde a arte e a cultura nunca foram levadas a sério, dedos primeiros europeus que cá pisaram a cultura que aqui existia começou a ser desimada, depois disso a arte foi se arrastando, muitas vezes com grandes atos, até o século XXI.
A vida para um artista no Brasil, não é fácil, por que ou você é aclamado por uma mídia ou sua expressão não te sustenta, muitos artistas migram para fora do país a procura de uma oportunidade, onde seu trabalho seja levado a sério assim como o trabalho de um médico, onde as pessoas não te chamem de "mais um sonhador", mas e o que sobre quando todos vão embora? Se todos os artistas vão para fora do país, o que sobra dentro dele? É uma coisa muito importante a se pensar, já que é uma realidade em que boa parte da população vive, a classe teatral é sustentada pela própria classe a mais de décadas, os grandes espetáculos de dança só alcançam uma certa "nata" da sociedade, a pintura virou trabalho para aposentada, o áudio-visual virou supermercado em multimídia, o cinema só o que é comercial é visto, as esculturas viraram decoração, contar histórias, nem mais para os filhos dormirem, me atrevo a dizer que esse mundo em que vivemos, seria realmente um mundo de faz de contas, onde perdemos todo e qualquer senso do que realmente é importante e não me refiro só a arte, falo, mostro que existe mais, talvez seja esse o significado de "A muito mais entre o céu e a terra do que sonha nossa vã filosofia". E então o que você faz, quem é você nesse jogo de xadrez, só mais um peão? Ou será uma rainha?...Cheque...