Panorama


Estar aqui é uma tarefa difícil, viver não é nada fácil, cada um que passa por uma rua movimentada tem segredos, esconde algo, nega algo para ser aceito, e não estou falando só de sexualidade.
Quantos negros executivos e bem sucedidos você já viu de trança? Ando pela Paulista e vejo inúmeros negros de cabeça raspada, negras com cabelo alisado, para serem aceitos, mas não estou falando só de negros.
Meu nome é Leonardo Vilela Araújo, sou brasileiro, paulista, tenho 19 anos, sou gay, sou feito de misturas de raças, como já disse sou brasileiro! Vamos numerar os preconceitos que sofro num âmbito mundial:
- Sou jovem demais
- Sou brasileiro
- Sou gay
- Sou latino
- Sou paulista
- Descendente de italianos
- Descendente de portugueses
- Descendentes de africanos
- Descendentes de Índios
- Sou pagão
- Não sou branco, nem negro, nem pardo, nem mulato
- Sou ator

... entre inúmeras outras coisas!

Vivemos num pais misto, mas cheio de preconceitos, coisas expostas, coisas impostas, algumas enrustidas, mas ainda sim PRECONCEITO. Diferente dos meus outros textos, esse não tem uma função informativa, ou de alerta, mas como as outras é uma opinião.
Me pego pensando numa frase de uma peça que estou ensaiando: “Somos todos feitos de sonhos, risonhos, bisonhos, tristonhos, mas ainda sim sonhos, somos só sonhos”